Planejamento Financeiro para dentistas e médicos

Planejamento Financeiro para dentistas e médicos

Aqui a gente agradece ao convite para participar da 8ª Semana Da Educação Financeira através da APOEF- Associação de Professores e Orientadores da Educação Financeira).
Profissionais dentistas e médicos são profissionais liberais que fazem parte dos 25 milhões de brasileiros que trabalham por conta própria.

Normalmente, trabalham em 2 ou 3 lugares sem vínculo empregatício. Às vezes em cidades diferentes, rodando 60km por dia de deslocamento. Podemos falar sobre isso porque temos mentorados médicos e dentistas, com muita dificuldade de lidar com contas, planilhas, e se consideravam um pouco desorganizados com as finanças.

Divulgação


Com o tempo, perceberam ser como se empurrassem uma pedra gigante morro acima e nunca chegavam lá. Trabalham cada vez mais horas, delegam os filhos para creches ou babás, a saúde vai para segundo, terceiro, quarto plano, e muitas vezes tem que fazer um extra no fim de semana porque o dinheiro não dá. Apesar de terem ganhos expressivos, os gastos também são. Como se a vida fosse só trabalhar e pagar boletos…

Segundo o IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), os profissionais autônomos foram os mais prejudicados na pandemia, perderam até 24% de seus ganhos. Diante deste cenário podemos afirmar com convicção que é cada dia mais importante cuidar de suas finanças, organizar as contas pessoais e do consultório. Aqui nosso foco é para médicos e dentistas, porém o que discutiremos pode ser estendido para qualquer profissional liberal, autônomo ou CLT, enfim para qualquer pessoa.

Divulgação


Para nossos mentorados, a organização financeira traz luz e clareza para seus objetivos de vida e os gastos reais. Muitas vezes, as pessoas não sabem quanto ganham e quanto gastam. Várias vezes presenciamos espanto quando chegamos neste passo na nossa mentoria, isso é muito comum. O profissional dentista, especialmente, não recebe a mesma quantia todos os meses. O recebimento varia com a entrada de clientes novos, com a sazonalidade, com o sol, com a chuva. É realmente desafiador.

3 coisas você precisa ter em mente como profissional liberal:

1) Você precisa se enxergar como um negócio.
2) Precisa saber o custo de sua Pessoa Física.
3) Precisa ter disciplina.
E para ajudar nessa disciplina colocaremos aqui um passo a passo:

Faça uma média atual de quanto recebeu esse ano todo – veja em suas anotações do consultório, quanto entrou a cada mês. Pegue os 12 meses de seu extrato bancário. Some esse total e divida por 12(são os meses do ano) para saber a média. Aqui você visualiza os meses que ficou abaixo ou acima da média.

Divulgação


Faça anotações de seus gastos – peça os extratos da conta-corrente, extratos do cartão, identifique seus parcelamentos, suas dívidas, impostos que não recolheu, anote e separe tudo. Tem filhos? Separe os gastos com cada filho. Cada um tem idade diferente e demandas diferentes.
Aqui também é importante separar os gastos de seu consultório com os gastos domésticos. É muito comum a gente levar contas da escola, de luz, de condomínio, de casa para pagar com o dinheiro que entra no consultório.

Separe as contas domésticas das contas de seu negócio – esse item complementa o que estávamos falando. De preferência, tenha 2 contas bancárias separadas para contas de seu negócio e sua conta doméstica. Temos casos de clientes que descobriram que o consultório dava prejuízo e só perceberam quando realizaram essa separação.

Era tudo misturado: os recebimentos dos empregos, com o consultório, de aluguel que recebia. Tudo junto e misturado. E dessa conta ela realizava todos os pagamentos do consultório e as despesas de casa, e obra da casa de aluguel. Quando separamos as despesas e as entradas, a visualização da situação foi outra. Aí, sim, começamos uma organização. Num primeiro momento é bastante trabalhoso, mas vale muito a pena.

Divulgação

Separe um Pró-labore – Veja seus gastos domésticos, e faça um salário mensal do menor recebimento do consultório, baseado nesses gastos domésticos. Se estiver começando e os seus gastos domésticos forem maiores do que o menor recebimento do consultório, existem 2 possibilidades: ou refaça os gastos domésticos, ou arrume uma renda extra.

Tenha uma reserva de emergência – faça uma reserva doméstica de pelo menos 6 meses de seus gastos essenciais. Como fazer essa reserva doméstica? O que são seus gastos essenciais? Gastos essenciais são os gastos que você necessita para viver. Isso é muito individual e aqui colocamos: gás, luz, água, pacote de celular, pacote de internet, escola de filhos, supermercado, feira, hortifruti, e a parte individualizada do que é essencial para você. Para mim, a academia e cursos que vão agregar valor no meu trabalho são essenciais.

Tivemos uma mentorada que comprar ouro era essencial, para outra, a dermatologia para procedimentos estéticos a cada 6 meses é essencial. Para outro, estar com amigos para o happy hour depois do trabalho é essencial. Essa reserva também deve ser feita para o consultório, especialmente dentista que possui mais ferramentas de trabalho do que o profissional médico. É comum, por exemplo, o compressor, que é o coração do consultório, ter problemas. Nesse caso tem a visita do técnico, o conserto do compressor, e contabilizar os dias que ficaremos sem trabalhar, pois sem o compressor nada funciona. Quando você tem uma reserva de emergência, você pode alugar um compressor até resolver o seu.

Pense no seu futuro – deixe uma parte para o seu futuro. Significa, rever suas contas, eliminar os gastos desnecessários, e criar um planejamento para investir mensalmente, mesmo que seja pouco, por enquanto, para sua aposentadoria. Mas pago o INSS. Isso Nunca Será Suficiente, tenha uma complementação.
Dúvidas? Envie um direct.
“Se é para ser feliz, que seja agora!

Sou Inês Vieira Bruno, cirurgiã-dentista, Trainer em PNL, Gestora e Educadora Financeira, MBA em Hipnoterapia e criadora do Método Plenamente. Possuo uma vasta experiência em ajudar profissionais de saúde a otimizar a gestão financeira de suas práticas. Eu acredito que, com as ferramentas e estratégias corretas, qualquer clínica pode alcançar sucesso financeiro e clínico.

1 responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] Vamos explorar as principais considerações na gestão financeira para dentistas. […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *